Publications in the Year: 2019

Book Chapter

Mateus, O, Callapez PM, Polcyn MJ, Schulp AS, Gonçalves AO, Jacobs LL.  2019.  The Fossil Record of Biodiversity in Angola Through Time: A Paleontological Perspective. Biodiversity of Angola: Science & Conservation: A Modern Synthesis. (Huntley, Brian J., Russo, Vladimir, Lages, Fernanda, Ferrand, Nuno, Eds.).:53–76.: Springer International Publishing Abstractmateus2019_chapter_thefossilrecordofbiodiversityi.pdf

This chapter provides an overview of the alpha paleobiodiversity of Angola based on the available fossil record that is limited to the sedimentary rocks, ranging in age from Precambrian to the present. The geological period with the highest paleobiodiversity in the Angolan fossil record is the Cretaceous, with more than 80{%} of the total known fossil taxa, especially marine molluscs, including ammonites as a majority among them. The vertebrates represent about 15{%} of the known fauna and about one tenth of them are species firstly described based on specimens from Angola.

Mateus, O, Callapez PM, Polcyn MJ, Schulp AS, Gonçalves AO, Jacobs LL.  2019.  O registo fóssil da biodiversidade em Angola ao longo do tempo: uma perspectiva paleontológica. Biodiversidade de Angola: Ciência e Conservação - Uma Síntese Moderna. (Huntley B.J., Russo V., Lages F., Ferrand N., Eds.).:89-116., Porto: Arte & Ciência Abstractmateus_et_al_2019_paleobiodiversidade_angola.pdf

Este capítulo apresenta uma visão geral da paleobiodiversidade alfa de Angola com base no registo fóssil disponível, o qual se limita às rochas sedimentares, a sua idade variando entre o Pré‑Câmbrico e o pre‑
sente. O período geológico com a maior paleobiodiversidade no registo fóssil angolano é o Cretácico, com mais de 80% do total dos táxones fósseis conhecidos, especialmente moluscos marinhos, sendo estes na sua maioria
amonites. Os vertebrados representam cerca de 15% da fauna conhecida e cerca de um décimo destes são espécies descritas pela primeira vez com base em espécimes de Angola.